Compra de bens de empresas que quebraram na pandemia exige cuidados; veja quais são

A oferta de bens para venda aumentou bastante neste ano. A preços bem abaixo do mercado, a maior parte das vendas tem sido feitas por parte de empresas que estão com dificuldades financeiras ou fechando as portas.

A compra de bens dessas empresas, no entanto, exige cuidados extras. A advogada tributarista Nara Dias Rodrigues alerta para os riscos de uma armadilha.

“Os bens vão para o mercado sendo ofertados por um valor bem abaixo baixo do usual e acabam se tornando um bom negócio desde que tomados alguns cuidados básicos. O proprietário dos bens pode ter débitos, processos e inúmeros tipos de pendência e os bens que estão sendo negociados podem estar travados judicialmente. É preciso verificar se há impedimentos ou se esse bem pode ser transferido”, afirma.

No primeiro semestre deste ano, com a crise econômica provocada pela pandemia, os pedidos de falência no país aumentaram 34,2%, em relação ao mesmo período de 2019.  Ao todo, 518 mil empresas foram fechadas e, deste, total 99,2% eram de pequeno porte com até 50 funcionários.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*