Entenda por que a carne está tão cara; redução de preço não está no radar

O consumidor que já começa a pensar no Natal, restando pouco mais de um mês e 15 dias para a data, já se preocupa com a tradicional ceia. Isso devido ao preço exorbitante das carnes em açougues e supermercados. Mas, afinal, o que leva ao aumento dos preços?

Conforme o presidente da Comissão Técnica de Pecuária da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg), Weber Bernardes, são dois fatores. O primeiro é a maior demanda pela carne, com a alta do dólar. Com a moeda brasileira desvalorizada, outros países tem importado mais do Brasil, o que ocasiona no aumento do produto nacionalmente.

“Essa busca do mundo por proteína animal, o Brasil um celeiro produtivo, que tem alimento de qualidade, proteína de qualidade, fez com que outros países procurassem o país e nosso mercado interno elevasse o preço”, explica.

Outro fator predominante para o valor da carne estar nesse patamar é o preço dos alimentos consumidos por esses animais, como soja e milho. “Para você produzir 1 kg de carne, seja suína ou bovina, hoje custa praticamente o dobro do que custava há seis, sete meses atrás”, alega.

Como não há tendência de desvalorização do dólar tampouco diminuição nos gastos com insumos, não há tendência de redução. “Se nós temos demanda de consumo e temos menos oferta, consequentemente vamos ter um preço firme. Se tem demanda para consumo maior, dificilmente esses preços vão cair”.

A Itatiaia foi às ruas e ouviu de consumidores que o jeito será improvisar no Natal, trocando alimentos. Adriano dos Santos, de 37 anos, diz que a solução será trocar pela carne de frango. “Uma carne mais em conta”.

Sueli Conceição de Oliveira, 57 anos, estava na porta de um açougue. O motivo da visita ao estabelecimento, no entanto, era pesquisa. “Vim para pesquisar, porque está muito caro. Vendo comida e não tem como passar para o cliente. Como que eu vou passar esse valor para ele porque para de comer lá. Para mim está muito difícil porque eu não posso aumentar”, completa.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*