Botijão de gás pode custar até R$ 105; preço pode variar mais de 45% em BH

Com o preço do gás de cozinha nas alturas, o consumidor pode pagar pelo botijão de 13 quilos até R$ 105. Por isso é preciso pesquisar para tentar economizar e encontrar maneiras de fazer com que o valor pese menos no bolso.

As variações hoje chegam a 45,85%, como é o caso do botijão de 13 quilos com retirada na portaria, que pode custar de R$ 71,99 até R$ 105. O botijão entregue no próprio bairro pode custar de R$ 78 até R$ 105, com a diferença de 34%.

O cilindro de 45 quilos entregue no próprio bairro pode custar de R$ 310 a R$ 425, com a diferença de 37%. Já na portaria o cilindro custa de R$290 até R$ 425, diferença de 46%.

De acordo com o diretor do Mercado Mineiro, Feliciano Abreu, o que preocupa, além da variação, é o aumento de preço em relação ao mesmo período do ano anterior. O preço médio de um botijão de 13 quilos, que era R$ 77,73 em fevereiro do ano passado, esse ano está R$ 87,18, um aumento de 12,16%. Só em janeiro o preço aumentou 3%.

O preço médio do botijão de 13 quilos da portaria que era R$ 71,36 passou para R$ 80,28, um aumento de 12,5%. Já o cilindro entregue que era R$ 329,38 subiu para R$ 349,09, aumento de 6%. Já na portaria subiu 8% em um ano.

A pesquisa completa está disponível no site do Mercado Mineiro.

Histórico 

Congelado entre 2007 e 2014, o preço do gás de cozinha passou a ser reajustado mensalmente em 2017, no governo Michel Temer (MDB). Diante da repercussão negativa, o reajuste passou a ser trimestral. Já na gestão Bolsonaro o preço passou a seguir as oscilações do mercado internacional do petróleo, sem periodicidade certa.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*