Estados Unidos voltam a recomendar uso de máscaras para vacinados em áreas de risco

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) dos Estados Unidos, citando a variante delta do novo coronavírus, recomendou nessa terça-feira (27) que as pessoas vacinadas retomem as máscaras em certas partes do país e que as escolas para menores de 12 anos adotem os equipamentos para professores, funcionários, alunos e visitantes, independentemente do status de imunização.

A nova orientação emitida pela principal agência de proteção à saúde do país diz que as pessoas totalmente vacinadas que vivem em locais com transmissão alta ou substancial do vírus devem mais uma vez usar máscaras em espaços públicos fechados, enquanto enfatiza que as vacinas contra a covid-19 permanecem eficazes na prevenção de doenças graves, hospitalização e morte.

A recomendação marca uma mudança na orientação de maio do CDC, de que as pessoas vacinadas não precisavam mais usar máscaras ou se distanciar fisicamente na maioria dos ambientes internos e externos. Isso também altera a orientação sobre as escolas, depois que a agência disse no início deste mês que de somente professores e alunos não vacinados precisariam usar o equipamento de proteção. Crianças com menos de 12 anos não se qualificam para as vacinas no momento.

Nas novas recomendações, o CDC destaca ainda que “estamos aprendendo por quanto tempo as vacinas podem proteger as pessoas”.

Estudo na Itália

Desde fevereiro deste ano, quase 99% das pessoas que morreram pela doença na Itália não estavam totalmente vacinadas, disse nessa terça-feira (27) o Instituto Superior de Saúde (ISS) do país. O estudo, contido em um relatório sobre mortes pela covid-19, acrescentou que as poucas pessoas totalmente vacinadas que morreram também eram significativamente mais velhas do que aquelas que morreram sem vacinação completa.

“Os resultados podem ter duas explicações possíveis. Em primeiro lugar, pacientes muito idosos com inúmeras doenças podem ter uma resposta imunológica reduzida e, portanto, ser suscetíveis à infecção e suas complicações, apesar de terem sido vacinados”, afirma o estudo. Além disso, há a explicação de que a prioridade de vacinação foi dada a pessoas mais velhas e mais vulneráveis e, por isso, representa a população com maior prevalência de vacinação de ciclo completo na data em que foi efetuada esta avaliação.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*