Mandetta diz que Bolsonaro é um ‘líder tóxico’ e que trabalha para criar ‘alternativa’ em 2022

O ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, avalia que a vacinação no Brasil deveria ter começado em novembro e que o Auxílio Emergencial. não poderia ter sido interrompido. Em mais uma entrevista , ele fala sobre a situação de momento da pandemia no Brasil. Sobre o enfrentamento à covid-19 no Brasil, segundo Mandetta, o país começou no rumo certo e depois desandou.

Mandetta acredita que esteja ocorrendo uma mudança no discurso do presidente da República, Jair Bolsonaro, em relação à vacina, fruto da atuação dos presidentes da Câmara, Arthur Lira, e do Senado, Rodrigo Pacheco. No entanto, segundo o ex-ministro, a alteração de postura veio tarde.

De acordo com ele, Bolsonaro é um líder tóxico e qualquer mudança na pasta da Saúde, como a que ocorreu recentemente, pode não surtir tanto efeito. Ele também avalia que o presidente da República cometeu crime de responsabilidade, mas diz que o impeachment não é a solução ideal para o país no momento.

Mandetta diz que ele mesmo trabalha para formar um grupo que seja uma alternativa fora da polarização nas eleições de 2022. O ex-ministro também falou sobre o escândalo dos empresários do setor de transporte em Minas que teriam importado vacinas contra a covid-19 e imunizado irregularmente. De acordo com ele, os responsáveis são mesquinhos, cruéis e burros.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*