Investigado por dar ‘golpe de confere’ em homem morto com 15 facadas em Nova Porteirinha é preso pela Polícia Civil

Um investigado por envolvimento em um homicídio ocorrido em Nova Porteirinha (MG) foi preso, nesta terça-feira (25), em Sete Lagoas (MG). Outras três pessoas já haviam sido detidas pelo crime, duas delas possuem 16 anos.

Segundo a Polícia Civil, o homem foi o responsável por dar um “golpe de confere” com o objetivo de garantir de que a vítima estava morta. Ela foi atingida por 15 facadas e tinha ferimentos em várias partes do corpo.

Durante a investigação, os policiais levantaram que o homem, considerado foragido da Justiça, estava escondido em uma casa da região metropolitana de Belo Horizonte. Com o apoio de uma equipe de Sete Lagoas, o mandado de prisão preventiva foi cumprido.

De acordo com a Polícia Civil, o preso já foi trazido para Janaúba (MG) e está à disposição da Justiça.

G1 não conseguiu saber se os detidos possuem advogados, já que os nomes deles não foram divulgados.

Prisão contou com os policiais civis de Sete Lagoas — Foto: Polícia Civil/Divulgação

Prisão contou com os policiais civis de Sete Lagoas — Foto: Polícia Civil/Divulgação

Sobre o crime

 

No dia 28 de abril, um homem, de 46 anos, foi encontrado morto em uma ponte de ferro, localizada na Colonização Juazeiro, zona rural de Nova Porteirinha. Ele apresentava várias lesões nos braços, pescoço e nuca.

Os levantamentos da Polícia Civil indicam que os investigados montaram uma emboscada para a vítima, que foi chamada para consumir drogas. Em um momento de distração, aproveitaram para golpeá-la por trás.

“Depois disso, a vítima foi atingida por mais quinze vezes, vindo a óbito no local. Houve até um ‘golpe de confere’, efetuado por um dos envolvidos, visando garantir a consumação do crime”, informou a Polícia Civil quando os três primeiros investigados foram detidos em 28 de abril.

A roupa de um dos detidos tinha manchas de sangue e foi encaminhada para perícia. Um deles disse aos policiais que tinha a intenção de cometer o crime anteriormente, o que não foi possível porque ele não encontrou com a vítima.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*